Follow by Email

terça-feira, 21 de agosto de 2012

piadas de caipira

na caatinga
O calor na caatinga estava bravo, de rachar. Faltava água nos poços, cheio de cabeça de boi pelo chão. Ia o Severino numa charrete puxada por um burrinho velho, o chão parecia uma fornalha.
- Arre! Nunca vi um calor como esse na minha vida! - disse o Severino.
- Eu também nunca vi! disse o burrinho.
- Epa! Nunca ouvi um burro falar!! - disse o Severino.
- Eu também nunca vi! - disse a charrete.
O caipira desconfiava que sua namorada, a mulher mais gostosa da cidade, andava pulando a cerca. Certo dia ele resolveu seguí-la. Ela saiu de casa com um vestido bem leve e foi até o bosque.
O marido desconfiado ficou olhando bem de longe, pra não dar bandeira. Sua namorada andava na direção de um homem, que estava comendo manga debaixo de uma enorme mangueira.
Então ela parou debaixo da árvore com ele, começou a conversar e logo estava sem roupa. O caipira ficou furioso e foi correndo atrás deles.
— Você vai morrer! Você vai morrer! — gritava ele, desesperado.
Quando foi chegando mais perto, viu que o cara era um negão de uns 2 metros de altura e 1 de largura. O negão, que estava chupando os peitões da caipirinha, se levantou e disse:
— E quem é que vai me matar? Você, seu baixinho magrelo?
— Não senhor — disse o caipira — É que o senhor chupou manga e agora tá tomando leite. Isso aí mata, viu?


Uma pesquisadora do IBGE bate à porta de um sitiozinho perdido no interior.
- Essa terra dá mandioca?
- Não, senhora - responde o capiau.
- Dá batata?
- Também não, senhora!
- Dá feijão?
- Nunca deu!
- Arroz?
- De jeito nenhum!
- Milho?
- Nem brincando!
- Quer dizer que por aqui não adianta plantar nada?
- Ah! Se plantar é diferente...
Montado em seu carrão reluzente, o sujeito viajava pelo interior quando passa a toda velocidade diante de uma fazenda e acaba atropelando um galo.
Desce imediatamente e, consternado, vê que o bichinho está morto.
Nisso, olha de lado e vê um matuto capinando muito próximo à cerca.
Virando-se para o matuto, o sujeito diz:
- Desculpe, amigo! Foi realmente culpa minha...
O matuto fica olhando pra ele.
E ele, sem jeito, continua:
- Puxa, eu não deveria estar correndo tanto... sinto muito, por ter matado o seu galo. Mas eu faço questão de substituí-lo.
E o matuto:
- Vóismicê fique à vontade! O galinheiro é logo ali...

De chapéu de palha e roupinha bem puída, o caipira mija na cerca da maior fazenda da região. No meio do ato ele comenta, suspirando:
- Ahhhh... Nada como mijá naquilo que é da gente!
De repente aparece o dono da fazenda, do lado de dentro da cerca e grita:
- E desde quando essa fazenda a tua?
- Fazenda? Eu tô falando é da minha botina, sô!

O cara, querendo comprar um burro, perguntou para o matuto:
- Quanto custa?
- Vinte mil reais!
- Vinte mil? Tá doido, cara? Olha, eu dou dez mil no pau!
- Nada disso, só vendo o burro inteiro.
No sítio
Uma certa vez num sitiozinho lá do interior um camarada da cidade grande ficou sabendo que tinha um senhor que conseguia ver as horas no saco do boi. Ficou tão curioso que foi conhecer de
perto esse caipira. Chegando lá perguntou:
- Andam dizendo por ai que o senhor consegue ver as horas no saco do boi, poderias me mostrar?
- É claro sô.
Os dois se abaixaram atrás do boi, o caipira então pegou o saco do boi, deu uma mexida pro lado e disse:
- São dez horas e catorze minutos!
Não deu outra, estava certo!
Então o moço da cidade indignado perguntou:
- Mas qual é o segredo senhor, pode deixar que não espalho!
- Vem cá então. Se ajoelharam atrás do boi, o homem então mexeu
no saco do boi e disse:
- Tá vendo moço?
- Não senhor.
- Não tá vendo lá atrás no relógio da igreja, dez horas e vinte minutos????


Caipira Chifrado
Pesquisa do IBGE
 
Cantando de galo
Mijando no que é seu
O burro

Nenhum comentário:

Postar um comentário